CESAR MAIA: “BOLSONARO NÃO É CAPAZ DE SEGURAR A LIDERANÇA DESSE PROCESSO”

Pai do presidente da Câmara vê amadorismo na atuação de Bolsonaro no comando do País

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tentam colocar panos quentes sobre as feridas abertas no tiroteio entre ambos, o pai do chefe do Legislativo, Cesar Maia, resolveu disparar contra o “amadorismo dos atuais donos do poder”. A ÉPOCA, o ex-prefeito do Rio de Janeiro, e agora vereador da cidade pelo DEM, foi taxativo: “Bolsonaro não é um personagem capaz de segurar a liderança desse processo [da reforma da Previdência]”. “Ele está brincando de presidir o país, e está na hora de parar a brincadeira”, atacou Maia. 

Na semana passada, uma nova fase da Lava Jato colocou ainda mais lenha na fogueira da relação do presidente da Câmara com o presidente. Na verdade, o pivô da crise foi, na verdade, o filho 02 de Bolsonaro: Carlos. Casado com a mãe da mulher de Maia, o ex-ministro Moreira Franco foi preso preventivamente com o ex-presidente Michel Temer, acusado de corrupção.  

Vereador e comentarista frequente na internet, Cesar Maia disse que é um erro a nova direita comemorar o golpe militar, por ser impopular. Foto: Leo Martins / Agência O Globo
Vereador e comentarista frequente na internet, Cesar Maia disse que é um erro a nova direita comemorar o golpe militar, por ser impopular. Foto: Leo Martins / Agência O Globo

Não demorou muito para Carlos Bolsonaro, o filho-vereador-tuiteiro do presidente, fazer das suas na internet: “Por que o presidente da Câmara anda tão nervoso?”, questionou nas redes, insinuando que o deputado estaria com receio de investigações da Polícia Federal. 

Maia, então, chamou os principais jornais do país e anunciou que estava fora da articulação política pela reforma da Previdência.  

Sem parecer se incomodar, Bolsonaro elevou o sarrafo da crise com um festival de ironias comparando o presidente da Câmara a uma namorada querendo terminar um relacionamento.  

“Bolsonaro não é um personagem capaz de segurar a liderança desse processo. Agora, será que ele faz esse raciocínio e dá importância a isso? Foi ao cinema nesta semana com a esposa… No fundo, faz isso porque sabe que pode ser aplaudido lá. Ele é um líder sindical dos policiais e dos militares, e assim continua se comportando”, analisou Cesar.

O pai de Rodrigo divide em três os núcleos do governo. O econômico, comandado por Guedes; o da justiça, simbolizado por Moro; e o administrativo, com os militares à frente. Os filhos do presidente, influentes, acabam formando um outro polo de poder.

“São o quarto vetor. O vetor dispersivo. Geram curto-circuito, atrapalham, mas nada grave. Um fala uma besteira, outro fala outra, o Olavo (de Carvalho), que também é desse vetor, fala mais uma… Mas não é o principal”, disse. 

Cesar acredita, no entanto, que a influência desse “quarto vetor” não é tão grande. Mesmo que “o Carluxo”, como Cesar o chamou, tenha estado no olho do furacão no episódio que culminou na exoneração do ministro Gustavo Bebianno após uma desavença nas redes sociais.  

“Será que foi por causa do Carlos? Ou ele foi apenas vocalizador da vontade do pai? Como disse, não vejo organicidade nos filhos, são pessoas querendo aparecer apenas, não é relevante nada disso. Por que perder tempo com eles?”, esnobou Cesar. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar